Arquivos da categoria ‘economia’

Indústria salineira potiguar aguarda crescimento em 2013

Postado em: 02/10/2013 às 13:23 por admin - economia, sal

SALINAS-foto09-600x4001

A indústria salineira potiguar terá um ano de recuperação com expectativa de produzir seis milhões de toneladas até dezembro.

Após a escassez do produto no mercado potiguar, provocado por chuvas acima da média, o momento agora é de recuperação.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato da Indústria da Extração do Sal no Estado do Rio Grande do Norte (Siesal-RN), Airton Torres, o Rio Grande do Norte conseguirá fechar o ano em números de produção de forma a continuar com um produto com grande oferta e competitividade ainda mais forte.

Para 2014, as projeções das principais salinas potiguares são de manutenção de crescimento produtivo.

Via Portal no Ar

Modernização Tecnológica

Postado em: 07/08/2013 às 18:58 por admin - economia, Refimosal, Responsabilidade Social, sal

tecnologiaPreocupada com a qualidade dos produtos que oferece a você, a Refimosal modernizou totalmente seu parque tecnológico. Saiba mais acessando: http://bit.ly/17xRFUX

Sal refinado passa a integrar a cesta básica

Postado em: 11/06/2013 às 20:50 por admin - economia, incentivo, Legislação, Refimosal, sal

O deputado Edinho Araújo (PMDB-SP) acatou pleito do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, e, ontem, fez um adendo ao seu relatório sobre a MP 609, incorporando ao texto emenda do deputado João Maia (PR-RN), incluindo o sal refinado como produto integrante da cesta básica. Com isso, o sal passa a desfrutar dos benefícios fiscais que a MP (aprovada ontem na Comissão Especial) atribui à cesta básica, diminuindo significativamente sua carga tributária, com a isenção total do pagamento das taxas relativas ao COFINS, PIS e PASEP.

O presidente da Câmara chamou a atenção para o fato dessa medida ser totalmente bancada pelo Tesouro Federal, uma vez que as contribuições isentadas não têm qualquer influência no cálculo dos Fundos de Participação do Estados (FPE) e dos Municípios (FPM).

Para Henrique, a iniciativa de João Maia constitui um importante estímulo à indústria salineira do Rio Grande do Norte e, por isso, não mediu esforços para vê-la aceita pelo relator da MP-609.

Padrão de Qualidade Refimosal

Postado em: 19/02/2013 às 14:27 por admin - certificados-de-qualidade, economia, Refimosal, sal

A Refimosal começou a se destacar pelo atendimento às necessidades do mercado que estava em busca de um produto de maior padrão de qualidade produzido por tecnologias pioneiras no ramo salineiro. O que fez com que, em pouco tempo, a empresa ganhasse destaque e se tornasse uma das maiores e mais modernas empresas de beneficiamento de sal marinho do país.

Com uma estrutura cada vez mais moderna, a Refimosal atende a todas as regiões do país, abastecendo com sua diversidade de produtos para as indústrias alimentícia, têxtil, química e etc. A empresa também produz várias marcas próprias já consolidadas em todo país, entre elas estão: Sal Marfim, Sal Pluma, Sal Mimosal, Sal Du Rebanho e Sal Têxtil, além de terceirizar grandes marcas nacionais como: Sal Globo e Zaeli.

Hoje, com 35 anos de atuação, a Refimosal se tornou referência em todo o Brasil pela qualidade e credibilidade que não param de crescer.

 

Multas podem ser aplicadas, mas ANTT diz que fiscalização da carta-frete ainda é educativa

Postado em: 25/01/2012 às 14:03 por admin - economia

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) vai manter a fiscalização educativa sobre a utilização da carta-frete como pagamento pelo transporte rodoviário de cargas no país.

As multas, que começariam a ser aplicadas nessa segunda-feira (23),  estão sendo evitadas. “Desde essa segunda a ANTT adota a continuidade da fiscalização educativa porque houve uma demanda muito grande do setor de transporte, que colocou dificuldades operacionais em trabalhar com o novo sistema. Por isso preferimos continuar com a fiscalização educativa até solucionar o problema. Não há uma previsão exata de quando a fiscalização punitiva vai começar, pode ocorrer nos próximos dias”, informou à Agência CNT de Notícias o superintendente de serviços de transporte cargas da ANTT, Noboru Ofugi.

Desde que começou a valer, em outubro de 2011, o sistema cresceu e os profissionais contam com mais opções de empresas que operam o pagamento eletrônico. “Atualmente temos seis administradoras, esperamos colocar mais quatro logo e, dentro de dois ou três meses, queremos ter entre 15 e 20 administradoras habilitadas. O grande beneficiado com esse aumento com certeza é o usuário”, explica o superintendente.

Dados do Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) mostram que existem atualmente 546.723 motoristas de caminhão autônomos no país. A idade média dos mais de 755 mil veículos dessa frota é de 19,2 anos.

De acordo com o setor de cargas, a grande maioria das empresas e dos transportadores já adotou o mecanismo de pagamento eletrônico. “Temos verificado uma incidência baixa do uso da carta-frete. Todos estão empenhados em seguir a legislação”, reforça Noboru Ofugi. Ainda segundo ele, a fiscalização ocorre de forma dispersa em todo o país com o objetivo de instruir de forma uniforme todos os envolvidos na questão.

Multas
A Resolução 3.658/11, de 19 de abril, entre outras ações, estabelece que o contratante que efetuar o pagamento do frete, no todo ou em parte, de forma diversa da prevista no documento, deverá ser multado em 50% do valor total de cada frete irregularmente pago, limitada ao mínimo de R$ 550 e ao máximo de R$ 10,5 mil. O texto prevê ainda multa (também de R$ 550 a R$ 10,5 mil) para quem realizar deságio no frete ou cobrança de valor para efetivar os devidos créditos.

O transportador autônomo que permitir o uso da carta-frete também será punido. Além de multa no valor de R$ 550, ele poderá ter seu RNTRC cancelado.

Para o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas de Minas Gerais (Fetcemg), Vander Francisco Costa, o pagamento eletrônico é positivo para o setor, pois regulamenta o trabalho trazendo seriedade ao transporte. Ele destaca que, com o pagamento eletrônico, os caminhoneiros passam a ter uma renda formal, facilitando, por exemplo, financiamentos de novos veículos.

Saiba mais
A carta-frete é um papel informal, não fiscalizado pelo governo, utilizado há mais de 50 anos no Brasil. Os caminhoneiros recebem o documento como forma de pagamento e, na maioria dos casos, ele é trocado nos postos de combustíveis por dinheiro, com deságio. O novo sistema permite ao governo recolher Imposto de Renda (IR) e outros encargos sociais.

Para sanar dúvidas, transportadoras e caminhoneiros podem entrar em contato com a Ouvidoria da ANTT: 0800 61 0300.

Fonte: Agência CNT de Notícias

O sal e a economia do RN

Postado em: 30/09/2011 às 14:56 por admin - economia, sal

O Estado do Rio Grande do Norte é considerado uma ótima localização para a implantação de companhias salineiras. Na realidade, com uma produção de sal de 4,8 milhões de toneladas numa área de produção em torno de 40.000 ha, a indústria salineira tem um importante papel econômico no Estado, sendo o Rio Grande do Norte responsável por mais de 95% da produção salineira brasileira.

O sal foi um dos primeiros produtos a ser explorado comercialmente no Rio Grande do Norte. A exploração normal e extensiva das salinas de Mossoró, litoral de Areia Branca, Assu e Macau data de 1802. Mas o conhecimento de jazidas espontâneas na região já era conhecida desde o início da colonização.

 

(mais…)